×
Espaço HF
Opinião e release de parceiros

 

Espaço HF
Junho 21, 2022
ESPAÇO HF: Desafios da horticultura no Brasil
Custos em alta e economia lenta estão desafiando o setor no curto prazo

 

Piracicaba, 21 – A horticultura vive, atualmente, um momento de apreensão. Aumento significativo dos custos de produção (puxado principalmente pela alta dos insumos, havendo inclusive falta de alguns produtos), mão de obra cada vez mais escassa em algumas regiões e a situação econômica do País, com muitos consumidores com menor poder de compra.

Mesmo com a tendência de saudabilidade tão em alta, em momentos de fragilidade financeira, ou seja, quando o consumidor precisa “escolher” o que levar, são os alimentos mais essenciais que são levados para casa – muitas vezes, deixando as hortaliças de lado.

Nos últimos meses, outro fator que foi limitante ao consumo de hortaliças foi o aumento dos preços da maioria delas, em virtude dos impactos climáticos na produção. Inclusive, neste sentido, a mídia acaba dificultando ainda mais a situação, colocando a cenoura, ou o tomate, como vilões da inflação, mas sem trazer informações reais sobre o motivo para tais valorizações. É importante lembrar que o produtor não tem o poder de aumentar os preços por vontade própria; os preços apenas seguem a lei da oferta e da procura.

Além desses desafios de curto prazo (relacionados aos custos em alta e à demanda enfraquecida), o setor também enfrenta desafios de médio e longo prazos. Um deles é reduzir a informalidade, aumentando a profissionalização e produzindo da forma adequada, com utilização responsável de insumos e preocupação com o colaborador, a sociedade e o meio ambiente. Outro ponto importante é aumentar a adesão tecnológica, buscando otimizar a produção e reduzir os custos unitários, para que os produtos cheguem ao consumidor com um preço justo, mas ao mesmo tempo gerem uma margem ao produtor que seja suficiente para viabilizar a continuidade da atividade.

Além de questões diretamente relacionadas à lavoura, temos que também estar atentos às demandas do consumidor. Cada vez mais a população está buscando diferentes experiências de consumo, além de estar mais consciente quanto à segurança do alimento, formas de produção e responsabilidade ambiental e social. Outro ponto importante é estar atento a outros países, tanto como potenciais concorrentes (como por exemplo no setor do alho) quanto como potenciais mercados para exportação de hortaliças.

Eduardo Sekita de Oliveira é produtor de hortaliças e atual presidente do Instituto Brasileiro de Hortaliças (Ibrahort). Juntamente com Edson Trebeschi, participará de um bate-papo no dia 23 de junho às 14h30 sobre o futuro da horticultura brasileira. O debate ocorrerá na Sala do Produtor, na Hortitec, e será transmitido ao vivo em nosso canal no Youtube. Participe!

Tags
consumo
custo de produção
custos
demanda
desafios
economia
Eduardo Sekita
hortaliças
horticultura
Hortitec
poder de compra
saudabilidade
saude
Notícias Relacionadas
Espaço HF
Junho 21, 2022
ESPAÇO HF: Desafios da horticultura no Brasil
Custos em alta e economia lenta estão desafiando o setor no curto prazo
leia mais
Espaço HF
Junho 17, 2022
ESPAÇO HF: Desafios da cadeia de citros de mesa no Brasil
Clima, padrões de qualidade e greening estão entre as dificuldades enfrentadas
leia mais
Espaço HF
Junho 13, 2022
ESPAÇO HF: Frutas e Hortaliças: Por que comer mais?
Estes alimentos são ricos em vitaminas e mineiras, mas como está o consumo nacional?
leia mais
Espaço HF
Junho 10, 2022
SALA DO PRODUTOR: BATE-PAPO AO VIVO COM O SETOR NA HORTITEC
Nos dias 22 a 24 de junho, direto do estande da HF Brasil na Hortitec (Setor Azul, estande nº 42), vamos nos conectar ao vivo com a comunidade hortifrutícola
leia mais
Espaço HF
Junho 7, 2022
ESPAÇO HF: A cadeia do tomate de mesa no Brasil e os desafios futuros
Estudo englobou aspectos da produção, da cadeia e do consumo de tomates no Brasil
leia mais
Espaço HF
Maio 25, 2022
ESPAÇO HF: DANDO VOZ À COMUNIDADE HF
Foi criado um local para dar voz aos agentes que atuam no setor de frutas e hortaliças.
leia mais