30/05/2018

MANGA/CEPEA: Como o mercado se comportou em meio a greve?

Câmaras frias nas roças estão lotadas

Por Gabriel Pacheco Oliveira e Fernanda Geraldini
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
MANGA/CEPEA: Como o mercado se comportou em meio a greve?Ver fotos

Piracicaba, 30 - A greve dos caminhoneiros tem afetado todos os setores econômicos do País, e não foi diferente para a mangicultura. Ao final da semana passada, ainda se falava em vendas de manga no atacado paulista, contudo, com a continuação das manifestações nos últimos dias, as vendas cessaram. São raros os casos de atacadistas da Ceagesp que possuem a fruta estocada disponível para venda, enquanto, separados por quilômetros de paralisação, produtores das praças acompanhadas pelo Hortifruti/Cepea estão com suas câmaras frias abarrotadas. 

Na roça, produtores não estão colhendo e, mesmo assim, parte das mangas é perdida, e parte é doada e distribuída para instituições, como por exemplo, escolas. Assim, esta é mais uma semana sem cotações, uma vez que não há negociações no País. A situação preocupa os mangicultores, já que por conta do feriado nacional (Corpus Christi, 31), o ritmo da retomada do mercado pode ser ainda mais lento, podendo melhorar só na próxima semana.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags: Cepea, cotações, estoque, greve dos caminhoneiros, manga, mercado, paralisação, perdas, preço

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui