05/02/2020 às 23:00

MELÃO/CEPEA: Exportações se reduzem em janeiro

Confira as perspectivas para o final da safra 2019/20

Por Maria Giulia Marchesi e Marcela Barbieri
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
MELÃO/CEPEA: Exportações se reduzem em janeiroVer fotos

Piracicaba, 06 – Janeiro foi marcado pela redução dos envios brasileiros de melão ao mercado internacional. De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume exportado foi de 38 mil toneladas no mês, quantidade 21% inferior à de dezembro. A receita também recuou, em 23% na mesma comparação, com valor de US$ 23 milhões. Os principais países compradores do melão brasileiro em janeiro foram Holanda, que consumiu cerca de 40% do total das exportações, e Espanha, que recebeu pouco mais de 30%.

Essa queda dos embarques, por sua vez, está relacionada às chuvas mais recorrentes no Rio Grande do Norte/Ceará, que afetaram a colheita (em especial dos melões nobres, que são mais sensíveis às intempéries climáticas) neste fim da safra 2019/20, e ao início das exportações da fruta de alguns países da América Central – que, mesmo focando nos envios para a América Central, também exportam para a Europa, principal consumidora do melão brasileiro.

Para fevereiro, a expectativa é de que as exportações de melão passem por nova redução no Brasil. Isto porque países da América Central (como Honduras e Costa Rica) passarão a ofertar um maior volume da fruta na Europa e são esperados maiores índices pluviométricos no Nordeste do País, o que costumeiramente desacelera a produção no Rio Grande do Norte/Ceará – de acordo com agentes, esse maior volume de chuva começa a aumentar o custo de produção, devido à maior necessidade de aplicações de fungicidas.

Fonte: hfbrasil.org.br e Secex

Tags: Cepea, clima, exportações de melão, melão, mercado internacional de melão, oferta de melão, produção de melão

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui