17/12/2018

HORTIFRUTI/CEPEA: Apesar de novos compradores, competitividade da maçã é baixa

Confira os principais motivos!

Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
HORTIFRUTI/CEPEA: Apesar de novos compradores, competitividade da maçã é baixaVer fotos

Piracicaba, 17 – Mesmo tendo compradores alternativos, como Bangladesh, Oriente Médio e Índia, a maçã brasileira ainda tem baixa participação na pauta de exportação de frutas. Além disso, o mercado interno absorve a maior parte da produção da fruta, tendo baixo excedente exportável.

A competitividade da maçã brasileira em âmbito internacional, analisada na edição de novembro da Hortifruti Brasil, é baixa. Somente em alguns períodos, por conta de quebras de safras externas, é que o País conseguiu ampliar pontualmente as exportações.

Confira, abaixo, os principais motivos para a baixa competitividade da fruta:

Para conferir o conteúdo completo, acesse a edição de novembro da Revista Hortifruti Brasil, clicando aqui.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags: análise de competitividade, Cepea, competitividade internacional, exportações de frutas, Hortifruti Brasil, Hortifruti Brasil, Maçã, mercado internacional, sétima fruta mais competitiva do Brasil

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui