07/06/2018

UVA/CEPEA: Cotações superam 2017 no PR

No entanto, alta nos custos pressionam rentabilidade

Por Henrique Sarmento Aires e Letícia Julião
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
UVA/CEPEA: Cotações superam 2017 no PRVer fotos

Piracicaba, 06 - Mesmo com problemas para comercializar a produção da safra temporã do Paraná, os preços médios das uvas finas estão maiores que em 2017 no estado. Na parcial desta temporã (março a maio), a uva itália foi comercializada na média de R$ 4,60/kg em Marialva e por R$ 4,37/kg na região ao norte do PR. Já na safrinha passada de Marialva (fim de março a julho/17) e do Norte do Paraná (maio a julho/17), a variedade foi vendida na média de R$ 2,56/kg e R$ 2,35/kg, respectivamente.

No início da safra do ano passado, mesmo com qualidade e tamanho satisfatórios, a demanda enfraquecida dificultou a obtenção de bons preços. Já em maio de 2017, precipitações de mais de 100 mm em um curto intervalo de dias atingiram parte considerável da produção nas duas praças, situação que afetou ainda mais os preços das frutas, que ficaram com a qualidade comprometida.

Neste ano, por outro lado, a chuva não têm sido um problema no período da colheita - mas foi no período das podas. A elevada precipitação em dezembro/17 e janeiro/18, associada à menor área podada para esta temporã, contribuiu para uma redução da oferta nos primeiros meses da safra, o que ajudou a manter os preços em patamares elevados.

Mesmo assim, a rentabilidade nesse período tem sido pressionada em 2018, já que, com a intensificação das pulverizações e necessidade de podar novamente, os custos foram consideravelmente maiores. Dessa forma, o preço médio da itália em Marialva foi apenas 3,4% superior aos custos estimados.

Em maio deste ano, mesmo com o clima estável, a baixa demanda pelas frutas da região em conjunto com um leve aumento da oferta desvalorizou as frutas no final da temporã. Nos últimos dias de maio, a impossibilidade de escoar a produção por conta da paralisação dos caminhoneiros fez com que a quantidade de fruta no pé se elevasse, essa situação já está impactando nos preços de junho - último mês de colheita da temporã 2018 no Paraná.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags:

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui