23/11/2021

MELANCIA/CEPEA: Com previsão de La Niña, lavouras do RS podem ser prejudicadas

Colheita se inicia, mas ainda pontualmente

Por Lucas de Mora Bezerra e Fernanda Geraldini
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
MELANCIA/CEPEA: Com previsão de La Niña, lavouras do RS podem ser prejudicadasVer fotos

Piracicaba, 23 – As atividades de plantio de melancia no Rio Grande do Sul continuaram avançando ao longo dos últimos dias, com algumas lavouras em Arroio dos Ratos iniciando a colheita de forma pontual, para abastecer o mercado regional. Até o momento, o clima seco na região tem favorecido o desenvolvimento das áreas, que vêm apresentando frutas com calibre elevado, mesmo com as baixas temperaturas registradas no estado.

A grande chance de ocorrência de La Niña nestes últimos meses de 2021, porém, está preocupando produtores gaúchos de melancia. De acordo com a NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), há 90% de possibilidade de ocorrência do fenômeno entre novembro e janeiro no Brasil – sendo que, no Sul do País, ele é caracterizado por um atraso na regularização das chuvas, o que pode limitar a produtividade, principalmente nas lavouras de sequeiro.

Outro impacto negativo do tempo mais seco, caso se concretize, é o aumento da incidência de viroses, o que tende a elevar ainda mais os custos de produção – e, consequentemente, reduzir a rentabilidade, caso os preços não subam nas mesmas proporções. Vale ressaltar que o cenário descrito pode ser mais limitante em Encruzilhada do Sul, visto a menor disponibilidade de água em açudes da região quando comparada às outras praças produtoras do estado.

Fonte: hfbrasil.org.br e NOAA

Tags: Cepea, colheita de melancia, HF Brasil, impactos do La Niña na produção de melancia, La Niña no Brasil, oferta de melancia, perspectivas para o mercado de melancia, plantio de melancia, produção de melancia no RS

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui