17/09/2020

MAÇÃ/CEPEA: Balança comercial entra no vermelho

Baixo estoque nacional estimula importações

Por Ana Raquel Mendes e Marcela Barbieri
Em parceria com
FMC
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
MAÇÃ/CEPEA: Balança comercial entra no vermelhoVer fotos

Piracicaba, 17 – Mesmo com a redução de quase um quinto na colheita da safra 2019/20, as exportações brasileiras de maçãs frescas ainda apresentam bom desempenho na parcial do ano (janeiro a agosto), de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Os embarques totalizaram 62,4 mil toneladas no período, quantidade 11% superior à da parcial de 2019. Já a receita, quase se manteve em dólar, em US$ 41,5 milhões (FOB) – vale ressaltar que a valorização do dólar frente ao Real tem garantido bons retornos aos exportadores.

Este cenário (de boas exportações e baixo estoque interno) colaborou para a alavancada dos preços da maçã nacional no mercado doméstico e também abriu espaço para as importadas – inclusive, a preços bastante competitivos para as frutas de maiores calibres, que têm sido mais procuradas internacionalmente, devido à escassez na campanha brasileira.

Assim, ainda segundo a Secex, as importações brasileiras de maçã totalizaram 63,5 mil toneladas na parcial do ano (janeiro a agosto), forte alta de 60% frente ao mesmo período 2019. Os gastos, por sua vez, contabilizaram US$ 50,9 milhões (FOB), aumento de 40% na mesma comparação. Destaca-se que a quantidade importada, na parcial do ano, está 25% maior do que a média dos últimos 10 anos.

BALANÇA COMERCIAL – Os gastos, em dólar, com as maçãs importadas, foram maiores do que a receita adquirida com as exportações brasileiras da fruta na parcial do ano (até agosto). Assim, a balança comercial está negativa em US$ 9,4 milhões. Este cenário, por sua vez, deve se manter até o fim do ano, pois, mesmo com o alto patamar do dólar, a redução nos estoques nacionais de maçã deve continuar estimulando a compra de fruta importada até a entrada da safra 2020/21, que deve ocorrer apenas no próximo ano.

Fonte: hfbrasil.org.br e Secex

Tags: alta do dólar, balança comercial, Cepea, exportações de frutas, exportações de maçã, HF Brasil, importações de maçã, Maçã, mercado internacional, preços de maçã, produção de maçã, valorização das maçãs de maiores calibres

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui