27/05/2021

MAÇÃ/CEPEA: Agora é época de a maçã estrangeira perder espaço para a nacional

Importações da fruta recuam no primeiro quadrimestre de 2021

Por Ana Raquel Mendes, Isabela Pegolo Alves e Marcela Barbieri
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
MAÇÃ/CEPEA: Agora é época de a maçã estrangeira perder espaço para a nacionalVer fotos

Piracicaba, 27 – Assim como de costume, as importações brasileiras de maçãs frescas recuaram no primeiro quadrimestre deste ano, visto que a colheita da safra nacional aumenta a disponibilidade da fruta por aqui. E em 2021, a redução foi mais expressiva do que no mesmo período de 2020. Isso se deve ao maior volume colhido na safra atual e à taxa de câmbio elevada, que encareceu a maçã estrangeira.

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), a aquisição brasileira foi de 17 mil toneladas no primeiro quadrimestre, queda de 35% em comparação ao mesmo período do ano anterior, com gastos referentes a US$ 17,5 milhões (FOB), redução de 22% na mesma comparação. Vale destacar que esses números também ficaram abaixo da média dos últimos cinco anos.

No primeiro quadrimestre de 2021, os principais fornecedores de maçãs ao Brasil foram: Itália (origem de 40% do volume total adquirido), Argentina (34%), Chile (13%) e Portugal (6%). Para os próximos meses, a expectativa é de que as importações de maçã cresçam, mas não no mesmo nível observado em 2020, visto que a oferta nacional está maior neste ano e que a taxa de câmbio deve continuar alta.

Fonte: hfbrasil.org.br e Secex

Tags: Cepea, comércio internacional de maçãs frescas, HF Brasil, importações de maçã, mercado internacional de maçã, oferta de maçã, volume nacional de maçã

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui