01/10/2018

HORTIFRUTI/CEPEA: O que tem dado certo no Brasil?

Conheça o trabalho de 10 organizações do setor de HF no País

Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
HORTIFRUTI/CEPEA: O que tem dado certo no Brasil?Ver fotos

Piracicaba, 1° – Na edição de setembro, a revista Hortifruti Brasil selecionou 10 organizações atuantes no setor de frutas e hortaliças no País, e os representantes destes grupos relataram os principais fatores que levam em conta para o sucesso de uma ação coletiva. Confira alguns deles:

Vegetais Saudáveis
Segundo Marcelo Mallmann, diretor comercial da Vegetais Saudáveis, o objetivo do coletivo é viabilizar, em conjunto, ideias antes impraticáveis na individualidade dos produtores. Assim, qualquer prática que favoreça a singularidade e atrapalhe o desenvolvimento do grupo é inadmissível. Para isso, Mallmann reforça a necessidade de todos os integrantes respeitarem as mesmas regras e que estas precisam ser muito claras.

Abanorte
De acordo com Saulo Bresinski Lage, presidente da Abanorte, é essencial que as regras sejam monitoradas – e os membros, principalmente os do Conselhos, são os responsáveis por isso. Para aqueles que quebram as normas estabelecidas, existem advertências e penalidades. Por exemplo, quando o produtor deixa de realizar os cuidados necessários para uma doença (que pode se propagar para as outras lavouras), além da advertência, ele pode ser até mesmo desligado do grupo. As formações de comissões, conselhos e diretoria também são fundamentais para a gestão de uma organização, muitas vezes para que interesses específicos não fiquem acima dos em comum.

PMA
Valeska Oliveira, representante da PMA (Produce Marketing Association) no Brasil, indica que a organização tem um conselho formado por 18 voluntários (representantes de todos os elos da cadeia), com a função de nortear a atuação da associação no País. Por fim, o modelo de captação de recursos do associado é uma questão importante para a viabilidade da organização e precisa ser proporcional ao tamanho do produtor/ membro, seja pelo volume comercializado, faturamento, área cultivada e quantidade de lojas, no caso de varejistas.

* A seleção dessas entidades foi feita conforme citação dos leitores da Hortifruti Brasil.

Para conferir o conteúdo completo, acesse a edição de setembro da revista Hortifruti Brasil, clicando aqui.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags: Abanorte, ações coletivas, Cepea, HF Brasil, Hortifruti Brasil, organização do setor de HF, PMA Brasil, Vegetais Saudáveis

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui