01/06/2020

HORTIFRUTI/CEPEA: Especial Citros

Oscilação da produtividade é um desafio para a sustentabilidade da citricultura paulista

Por Hortifruti Brasil
Em parceria com
Syngenta
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
HORTIFRUTI/CEPEA: Especial CitrosVer fotos

Piracicaba, 1° – As variações na produtividade são um comportamento típico na citricultura paulista. No entanto, desde 2016/17, com a retomada dos investimentos em novos pomares mais adensados, aliados à intensificação do manejo fitossanitário, observa-se oscilação de produtividade ainda maior entre as safras.

Algumas temporadas têm registrado médias superiores a 1.000 cx/ha, seguidas de outras com significativas quedas. Esta safra não será diferente: a mais recente estimativa do Fundecitrus manteve essa tendência. A produtividade média da temporada 2020/21 deve cair para 790 cx/ha, após o recorde de 1.045 cx/ha em 2019/20.

Essas mudanças de uma safra para outra, no geral, têm sido atribuídas ao clima adverso na florada e/ou no desenvolvimento dos frutos. A temporada 2020/21 é um exemplo do impacto do clima na queda da produtividade.

CLIMA – De forma geral, a seca registrada entre o fim do outono e início do inverno de 2019 favoreceu o estresse hídrico das plantas. As precipitações ocorridas em São Paulo no início de agosto possibilitaram a abertura das primeiras floradas – as quais foram consideradas volumosas em plantas novas e em pomares com sistema de irrigação.

Em setembro/19, contudo, as altas temperaturas e o clima seco em outubro no estado paulista debilitaram e atrasaram o desenvolvimento das plantas – justamente no período de fixação dos frutos, bastante crítico e influenciado pela disponibilidade de água no solo, pela temperatura e pela umidade do ar. Até mesmo em pomares irrigados foi verificada quebra de produtividade nesta temporada.

As chuvas registradas em novembro do ano passado favoreceram a abertura de novas floradas em alguns pomares no início de dezembro, principalmente das variedades tardias e de meia-estação. Contudo, segundo citricultores, estas cargas foram pontuais e inferiores às floradas principais. Assim, segundo a estimativa do Fundecitrus, a safra 2020/21 (São Paulo e Triângulo Mineiro) deve recuar 26% em relação à anterior, totalizando 287,76 milhões de caixas de 40,8 kg.

REFLEXOS – Esse cenário de oscilações no rendimento e também de outros fatores externos, dependendo da intensidade, pode inviabilizar economicamente a citricultura, já que, mesmo com todos os investimentos para se obter elevadas produtividades, o pomar pode não alcançar todo esse potencial. Assim, nem sempre os altos investimentos na citricultura vão conseguir extrair a máxima produtividade potencial, dependendo das condições climáticas, por exemplo.

No Especial Citros 2020, a equipe da Hortifruti Brasil realizou uma atualização dos custos de produção de dois modelos de propriedades citrícolas e avalia o mínimo de produtividade dessas fazendas que é importante de se extrair dos pomares para remunerar os altos investimentos na citricultura. Esse indicador é denominado pelo Cepea como produtividade de nivelamento.

Para conferir o conteúdo completo, acesse a edição de maio da revista Hortifruti Brasil, clicando aqui.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags: Cepea, citricultura, citros, custos de produção de citros, Especial Citros 2020, Hortifruti Brasil, investimentos em pomares de laranja, viabilidade econômica da citricultura

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui