22/11/2021

BANANA/CEPEA: Outubro é marcado por boas exportações de SC

Nem mesmo entraves na aduaneira impedem tal resultado

Por Patrick Rechi Berquó e Marcela Barbieri
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
BANANA/CEPEA: Outubro é marcado por boas exportações de SCVer fotos

Piracicaba, 22 – Apesar de ter reduzido levemente sua participação, o estado de Santa Catarina seguiu como o maior exportador brasileiro de banana ao Mercosul em outubro, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). E, ao contrário do que se esperava, seus envios para o bloco conseguiram subir: cerca de 4% em volume frente a setembro, totalizando 4,9 mil toneladas, e de 2% em receita, na mesma comparação, somando US$ 1,6 milhões (FOB).

Segundo agentes consultados pelo Hortifruti/Cepea, enquanto a boa demanda do Mercosul refletiu positivamente nas exportações brasileiras, assim como a menor concorrência com países como Bolívia e Paraguai, o atraso da liberação de cargas nas aduaneiras atuou negativamente – sobretudo durante os feriados prolongados. Neste cenário, formou-se uma fila de caminhões e algumas frutas até maturaram no local, levando exportadores a praticar descontos para não perder o envio dessas cargas.

Para novembro, agentes acreditam que as exportações catarinenses ao Mercosul devem continuar positivas, sobretudo à Argentina, diante da boa procura e do comércio doméstico ainda conturbado. Entretanto, existem apreensões quanto às limitações das fronteiras. Por isso, exportadores estão requerendo às aduanas que a carga horária de fiscalização aumente e que priorizem transportes de perecíveis, a fim de evitar que novas perdas ocorram durante o trajeto.

Fonte: hfbrasil.org.br e Secex

Tags: banana, Cepea, comércio internacional de banana, envios brasileiros de frutas, envios de banana ao Mercosul, exportações de banana, HF Brasil, mercado internacional de banana

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui