04/07/2019

ALFACE/CEPEA: Como devem ser os preços no mês das férias escolares?

Maior oferta e baixo consumo devem influenciar os valores

Por Isabela Camargo e Marina Marangon
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
ALFACE/CEPEA: Como devem ser os preços no mês das férias escolares?Ver fotos

Piracicaba, 04 – Com as temperaturas amenas no início de julho, nas praças paulistas de Ibiúna e Mogi das Cruzes, assim como na região serrana de Teresópolis (RJ), as vendas de alfaces permaneceram retraídas. Aliado a isso, o período das férias escolares também vem impactando negativamente no escoamento do produto – o que deve refletir em maiores "sobras" nesta primeira quinzena do mês.

Por outro lado, a produtividade, antes prejudicada pelo elevado volume de chuva e granizo, tende a ficar satisfatória nesta temporada, garantindo aumento da oferta nas regiões produtoras. Dessa maneira, com menor procura e elevada oferta, os preços devem ser inferiores aos praticados em junho. 

Outro destaque do período fica para a proliferação de bacterioses e fungos, a qual pode ser maior, devido ao clima frio – refletindo em aumento dos custos com tratamentos fitossanitários. Se esse cenário se concretizar, a rentabilidade dessas regiões tende a se reduzir no decorrer de julho.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags: alface, Cepea, clima, cotação de alface, ferias, oferta de alface, preços de alface, problemas fitossanitários, produção de alface, produtividade, rentabilidade

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui