09/08/2017

HORTIFRUTI/CEPEA: Brasil tem potencial para abastecer a Rússia

Apex divulga estudo sobre o mercado de frutas naquele país

Por Letícia Julião
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
HORTIFRUTI/CEPEA: Brasil tem potencial para abastecer a RússiaVer fotos

Piracicaba, 09 – No final de julho, a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) divulgou um relatório das oportunidades que exportadores brasileiros podem ter no mercado russo, que é composto por quase 150 milhões de pessoas. Apesar de a regulamentação do mercado de frutas ser um pouco complicada na Rússia (como o requerimento de documentos na língua do país), pode ser vantajoso explorar esse mercado.

Desde o embargo que a Rússia impôs (em agosto de 2014) sobre a União Europeia, o país não conseguiu se reestruturar completamente no quesito importação de frutas. Assim, desde então, o consumo russo de frutas recuou, tendo em vista que a baixa oferta fez com que os preços se elevassem muito por lá. Esse cenário foi agravado pela redução na renda do consumidor, devido a problemas político-econômicos.

Assim, após o embargo, os cinco principais fornecedores de frutas da Rússia são Equador, Turquia, China, Marrocos e África do Sul, e as principais frutas compradas são cítricos, banana, maçã, pera, uva, damascos, cerejas, pêssegos e ameixas. Em 2015, o Brasil abocanhou apenas 1% do valor total importado pela Rússia.

Vale ressaltar que boa parte das frutas que a Rússia compra é reexportada aos países vizinhos (Bielorrússia, Ucrânia, Cazaquistão, Mongólia e Lituânia, com os quais ainda tem livre comércio). O país ainda exporta alguns produtos locais. Mas a produção interna é baixa: cerca de 3,4 milhões de toneladas, volume que abastece somente 27% do mercado interno Russo. A maior parte da produção é de maçãs, sendo que 70% destas são destinadas ao processamento.

Para 2017, prevê-se uma retomada na demanda com a melhora na economia local, o que pode ser favorável aos países fornecedores, já que as importações devem seguir em alta para abastecimento. A expectativa, prevista no relatório, é de uma taxa anual de 2,4% até 2019. As principais frutas procuradas pelos Russos continuarão a ser bananas, maçãs, cítricos (essas três primeiras em maior volume devido aos preços mais atrativos e à popularidade), melões, melancias, peras, frutas vermelhas e limões.

Quer saber mais? Acesse o relatório completo clicando aqui.

Fonte: Apex-Brasil

Tags: Apex-Brasil, exportação de fruta, exportações, fruticultura, internacional, Rússia

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui