11/10/2017

BANANA/CEPEA: Área de banana em MG é limitada pela restrição hídrica

ANA recomenda a suspensão de novos investimentos na região

Por Giulia Gobbo e Letícia Julião
Compartilhar
+ Mais opções
  • Facebook
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
BANANA/CEPEA: Área de banana em MG é limitada pela restrição hídricaVer fotos

Piracicaba, 11 – A crise hídrica, que persiste nos últimos anos, impossibilitou a recuperação do volume do Rio São Francisco. E, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), ele atingiu o nível mais baixo de sua história em 2017. Mesmo com a suspensão do uso de água para a irrigação em um dia da semana, a recuperação do volume do Rio São Francisco não tem sido proporcional ao consumo. 

Assim, por recomendação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), novos plantios foram temporariamente suspensos na etapa 1 do projeto, composta por pequenos produtores. Na área empresarial, que contempla 19,3 mil hectares de médio e grande porte (e possui destaque para o cultivo de banana), produtores também decidiram acatar a recomendação.

Segundo bananicultores consultados pelo Hortifruti/Cepea, o projeto de irrigação que abastece os produtores de Jaíba, no Norte de Minas Gerais, é de suma importância para a bananicultura local, e o racionamento de água estabelecido na região já impactou diretamente na produtividade. Além disso, o custo de produção aumentou, o que já pode ser percebido nos centros consumidores do estado. 

Deste modo, a área destinada à produção de banana no Norte de Minas Gerais, que deve permanecer sem alteração neste ano frente a 2016, não deve aumentar, ainda, no início de 2018. Novos investimentos da região dependem, principalmente, das precipitações esperadas para este verão.

Fonte: hfbrasil.org.br

Tags: abastecimento, banana, banana Jaíba, banana MG, crise hídrica, falta de água, produção de banana, rio São Francisco

A reprodução do nosso conteúdo só é permitida com a citação da hfbrasil.org.br como fonte. Para saber mais sobre nossa política de reprodução clique aqui